Páginas

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Mensalão

Uma vez mais a sociedade brasileira se vê desrespeitada com a exibição de tantos espetáculos. O sentimento da população é de que, no final, nada acontecerá aos atores que hoje estão em cena e, certamente, voltarão, em outras oportunidades, para outros espetáculos, igualmente vergonhosos.
Apesar de sabermos da gravidade dos crimes cometidos contra o país, a verdade sobre eles sempre foi maquiada. Desvios de dinheiro público, sempre ocorreram, a ponto de fortalecer a mentalidade corrupta daqueles que não perdem a oportunidade de encherem seus bolsos, apostando na completa impunidade.
No Brasil, o combate ao crime quase não atinge os poderosos, somente os mais fracos. Condenam-se os pobres, os impotentes e desamparados, mas não vemos bandidos, nem autoridades atrás das grades, pagando pelos crimes cometidos. Pelo contrário, continuam por cima, ocupando importantes espaços, blindados com um forte aparato que os eleva a uma condição suprema e intocável.  Além de impunes, ficam imunes, distante de qualquer ameaça.
Essa impunidade acaba sendo um péssimo exemplo para as crianças e os adolescentes, que passam a enxergar o crime como algo normal, dando-lhes a impressão de que só se dão bem na vida aqueles que enveredam pelos cainhos do crime.
O episódio de Carlinhos Cachoeira ilustra bem esse tipo de conduta. É também um tipo de mensalão que engordou o bolso de muita gente, inclusive de políticos e policiais. Logo, se no final da CPI, nada acontecer, de bandido, Cachoeira passará a herói, ou vítima, despertando outras pessoas para a prática de crimes.
Muitas são as surpresas que surgem, revelando o envolvimento de autoridades com os esquemas criminosos. E é justamente por isso que eles ganham força e poder. Com o mensalão do Congresso, não é diferente: a cada passo, ele traz revelações que nos enchem de repulsa e indignação. O pior é que o povo traído, surrupiado, diante das manifestações diversas, fica sem saber se o espetáculo é verdadeiro, ou se tudo não passa de estratagemas de quem quer aparecer, ou de quem se acha acuado, diante da situação.
Se havia deputados e senadores contra o chamado mensalão, por que não abriram a boca, na época das barganhas políticas? Certamente, cada um queria ver primeiro o pedaço do bolo que lhe cabia. Dentro dessa visão corrupta, o conteúdo da substância justifica os meios. Ou seja: o exercício político vira um vergonhoso balcão de negócios.
Essa realidade nos assusta, pois à medida que avançam as investigações, nomes de pessoas ilustres, envolvidas com os esquemas criminosos, vão aparecendo. E quanto mais autoridades envolvidas, mais fortes os esquemas e mais organizado o crime e maiores as chances de impunidade.
Vamos torcer para que tudo agora seja diferente, acreditando na possibilidade de mudança dessa conduta que tanto fere a ética humana. Se a denúncia for verdadeira, alguém deverá ser condenado. Se não houver condenação alguma, ficaremos com a impressão de que o denunciante agiu de má fé, ou a justiça foi falha, nos julgamentos, o que será motivo de descrença na justiça, na política e nos políticos. Que assim, não seja!

17 comentários:

  1. muito bom professor, ótima redação!

    ResponderExcluir
  2. a ameeeeeeeeeeeeeeeeei, meu profes gostou mt kk.

    ResponderExcluir
  3. ÓtimO textO...

    ResponderExcluir
  4. muito boa a redaçao.

    ResponderExcluir
  5. muito boa essa redação , ajuda as pessoas com dificuldade pra as redações dos cursos. mt obrigado professor

    ResponderExcluir
  6. BRUNO- MUITO BO MESMO, SOU DE XINGUARA - PA

    ResponderExcluir
  7. Gostei tb! Me ajudou a esclarecer alguns pontos!

    ResponderExcluir
  8. Muito bom é um texto que ajuda esclarecer nossas ideias sobre o mensalao muito bem explicado

    ResponderExcluir
  9. Adorei! nota 10, me esclareceu muitos pontos.

    ResponderExcluir
  10. Muito boa essa redação.me esclereceu muitos pontos.

    ResponderExcluir
  11. vc colocou tudo o q se precisar saber para repor na redaçao, com o conceito claro tudo muda. ob

    ResponderExcluir